Caixa de som, receiver, subwoofer precisam ser todos da mesma marca?

Tempo de leitura: 3 minutos

A Audio Prime responde a mais uma dúvida recorrente: será que todos os equipamentos precisam ser da mesma marca? O que você acha?

Você já ouviu falar que as caixas de som precisam ser da mesma marca que o receiver? Se você também está na dúvida se essa informação é verdadeira ou se é apenas mais um mito do mundo do audiovisual, vem com a gente que a Audio Prime vai explicar direitinho essa história agora!

Os equipamentos precisam ser da mesma marca? Nem sempre!

Se você acha que há uma lógica por trás dessa afirmação, acertou – mas não para todos os equipamentos.

Na verdade, é importante pensar no princípio de cada aparelho, já que cada um é responsável por uma função.

Assim, a caixa de som central (C) é a principal responsável pelas vozes, as laterais (L e R) pelos efeitos diretos, as traseiras pelo efeito surround e o subwoofer é pelos graves.

Tendo isso como base, as três caixas de som frontais devem possuir o mesmo timbre, a mesma construção do som. Por isso, para ter o melhor resultado o ideal é que as caixas de som frontais sejam todas da mesma marca.

Ou seja, sendo da mesma marca há uma melhor interação entre os diálogos e os efeitos diretos que chegam dos canais frontais.

Caixas surround podem ser de marca diferente das LCR

No entanto, o cenário muda de figura quando falamos das caixas traseiras, aquelas que são as responsáveis pelos efeitos surround.

Nesse caso, se for usar o sistema em um modo estéreo ou audição, é interessante que essas caixas traseiras sejam da mesma marca e até da mesma linha que as demais.

Agora, se você está fazendo um setup de som de home theater, não há nenhum problema se as caixas surround forem de uma marca diferente das frontais.

Isso acontece porque, no surround, essas caixas de som estão lá justamente para fazer um efeito diferente.

No entanto, é importante que entre si essas duas ou quatro caixas surround, no caso de um sistema de sete canais, sejam da mesma marca.

Já no caso de adicionar um canal extra de Dolby Atmos, por exemplo, essas duas caixas de som intermediárias não precisam ser da mesma marca das responsáveis pelo surround, justamente por terem uma função completamente diferente.

E o subwoofer?

A mesma lógica também é aplicada ao subwoofer, que é um equipamento omnipresente no ambiente, ou seja, ele consegue jogar os graves em todos os lugares ao mesmo tempo da sua sala de cinema.

Por isso, o subwoofer também não precisa, obrigatoriamente, ser da mesma marca que os demais aparelhos.

Nesse sentido, inclusive, existem várias marcas que trabalham exclusivamente com subwoofers e que se tornaram especializadas na evolução apenas desses equipamentos.

Escolhas devem ser coerentes

Por isso, não se preocupe se as suas caixas frontais forem de uma marca, as surround de outra, as Dolby Atmos de outra marca e ainda receiver e subwoofer de marcas diferentes.

Muitas vezes essa diferença de marcas é justamente a demonstração do esmero por construir um setup com as melhores peças de cada linha de produto.

No entanto, é sempre bom deixar claro que é importante manter uma coerência entre as escolhas.

Por exemplo, não adianta muito ter uma caixa de som torre e caixas de som de surround com subwoofer de 4” que toque apenas 30% da potência das caixas de som frontais.

Justamente pela importância dessa coerência é que os próprios fabricantes criam sequências de linhas de caixas torres, bookshelfs, surrounds, LCR anguladas, etc, facilitando a combinação do setup.

E então, respondemos à sua dúvida? Ainda quer saber mais ou tem outra pergunta? Deixe aqui nos comentários e continue acompanhando nossas novidades pelo Blog!

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.