O que você deve saber sobre os cabos HDMI – Colab com Cris Mazza, do Grupo Discabos (Parte 1 – HDMI)

Tempo de leitura: 3 minutos

Tire suas dúvidas sobre os cabos HDMI para seus equipamentos de som nessa colab exclusiva da Audio Prime com o Grupo Discabos!

Com a grande variedade de produtos no mercado, é comum o consumidor ficar confuso na hora de escolher os cabos HDMI para o som ambiente ou home theater.

Por isso a Audio Prime foi buscar a opinião de um expert no assunto: Cris Mazza, gerente de produtos do Grupo Discabos. A empresa é focada no mercado de áudio, vídeo e automação, auxiliando com pesquisa, desenvolvimento, treinamento e logística e oferecendo produtos confiáveis e com bom custo benefício.

Nessa primeira parte da nova colab da Audio Prime você vai ficar por dentro dos conselhos do especialista sobre HDMI para não ter mais dúvidas na sua próxima compra!

Como escolher o melhor cabo para o equipamento?

De acordo com Cris Mazza, um cabo HDMI está para o equipamento de som como um pneu está para o carro.

O ajuste tem que ser perfeito em relação à pretensão de uso, calibrado certinho com sua necessidade.

De um modo geral, segundo o especialista, um bom cabo costuma ser aquele que custa cerca de 10% do valor do equipamento.

Já os cabos homologados ou certificados tendem a ter mais solidez na construção e maior preocupação da marca com a qualidade.

Mas o melhor mesmo é ter sempre a opinião de um especialista para obter a melhor configuração do equipamento em relação aos cabos.

HDMI 2.1 / 2.0 preciso mudar todo meu setup?

Pode-se dizer que o eARC é uma evolução do mercado ao aumentar significativamente a capacidade de banda disponível. Para quem já está pensando em trocar o cabeamento, Cris Mazza não recomenda pressa.

Segundo ele, nem todo mundo precisa alcançar os 48 Gbps de banda, o que só é necessário, hoje, em algumas aplicações muito específicas.

Os recursos com Dynamic HDR, que melhoram a qualidade dos frames estáticos e dinâmicos, e o eARC, que facilita o áudio de altíssima qualidade nos sistemas caseiros, por exemplo, podem ser usados com os cabos HDMI 1.4 High Speed, sem necessidade de troca.

De acordo com o gerente de produtos da Discabos, a troca está muito mais relacionada ao uso de vídeo 4K@120Hz e 8K@60Hz – para os quais ainda nem existem equipamentos para isso.

Os primeiros cabos só devem começar a ser comercializados a partir de junho, já que as certificações estavam previstas para começar em março.

Ou seja, a indústria de chip e hardware ainda está preparando e lançando os equipamentos, então na verdade não há como testar e verificar os ganhos práticos dessa nova especificação.

Distâncias ainda são problema

O comprimento do cabo, por exemplo, ainda é um problema a ser superado. De acordo com o especialista, até agora o maior cabo deverá ter cerca de 3 metros, o que é um problema para a maioria dos sistemas.

Segundo ele, os cabos longos deverão ser ativos ou de fibra – e muitos cabos ativos têm encontrado problema no mercado.

Os mais comuns são de alimentação e perda de tensão, já que não há ainda informações sobre HDBaseT e outros equipamentos de extensão, o que faz com que o sistema fique travado em baixo alcance.

E então, ainda ficou alguma dúvida? Escreva para nós nos comentários ou nos chame no WhatsApp que ficaremos felizes em assessorar o seu projeto!

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.